Curiosidades

O que era a Dança da Morte?

A Dança da Morte ou de uma Dança Macabra surgiu na Europa na Baixa Idade Média. Em um momento em que a morte, por causa das guerras e a doenças como a peste, estava presente constantemente na vida das pessoas e a religiosidade era praticamente inevitável se iniciam esses tetric danças, mas o Que era a Dança da Morte?
A Dança da Morte
A Dança da Morte era no início, uma representação que contém um ensinamento moral. Sua função principal era informar a população de que não se sabia em que momento a morte pode chegar e que deviam estar preparados para o julgamento que seriam submetidos no além. Em forma de diálogo versificado, a morte havia massacrado, de forma alegórica em um esqueleto humano, que ia chamando-a de várias pessoas e conversando com elas enquanto dançava.
“A dança mortal vinde os nascidos
que no mundo soes de qualquer estado,
o que não quiser a fuerça de gorda
facerle e vir muito toste parado.”
Imperadores, Papas, bispos, nobres, artesãos ou camponeses, não importava a classe social, todos os humanos estão destinados a dançar com a morte, antes ou depois, e isto é o que explicava a Dança Macabra.

Carreira começou a representar no século XIV, especialmente na Semana Santa. O homem do medievo, via-se cercado pela morte continuamente e não se opunha a ela com resignação cristã, como nos séculos posteriores, mas com um profundo terror que tinha uma dupla vertente, por um lado, a perda dos prazeres mundanos e, por outro, o temor ao castigo. A representação tinha também a intenção moral de uma ótica satírica já que situava-se ao mesmo nível para todos os homens, sem importar sua classe social ou idade, com especial ênfase na vertente igualatoria da morte.

A Dança da Morte surgiu na França e se espalhou por toda a Europa e incluiu, além das representações teatrais, à literatura e à pintura. Uma das principais obras se encontrava na parede do Cemitério dos Santos Inocentes, de Paris, e incluía um mural e um texto, mas ambas foram destruídos na época de Luís XIV, em que se ampliou o comprimento e só se conservam algumas cópias manuscritas do texto e algumas gravuras. Curiosamente nessa Dança da Morte não há nenhuma mulher e o autor tira sarro de todos os mortais, com exceção da criança, o franciscano e o cartuxo. Os primeiros versos dizem assim: “Ó, tu, criatura pensante //que você deseja a vida eterna //eis um ensinamento digno de atenção //para terminar bem a sua vida de mortal:// Se intitula A Dança Macabra e cada um aprende a danzarla.// É natural para homens e mulheres, //pois a morte não despreza nem o grande nem o pequeno.// Neste espelho, cada um lerá// que o dia chegará para dançar…”

Uma das Danças da Morte que mais vezes foi representada artisticamente é a lenda de “os três jovens e os três mortos”. Nela se explica o encontro de três jovens da nobreza que saem de caça e encontram-se a 3 “cadáveres animados” em vários estados de decomposição que lhes falarem sobre a brevidade da vida e sobre a necessidade de melhorar a sua maneira de se comportar antes de que seja demasiado tarde.
Realmente macabro. Não é de admirar que, na época, contemplase a morte com terror absoluto. O tinhas ouvido falar da “Dança da Morte”? Se você tem interesse neste artigo, talvez você queira ler: