Curiosidades

O mistério do Sudário de Turim

O mistério do Sudário de Turim
O Sudário de Turim tem sido uma das relíquias religiosas mais controversas de todos os tempos, em frente a vários sudarios que apareceram na antiguidade, ele distinguiu-se acima dos outros pela imagem tão forte que ficou impressa na tela, trata-se do corpo e o rosto de um homem.
O Sudário de Turim
Neste sentido, o engenheiro eletrônico norte-americano, criador e desenvolvedor do analisador de imagem VP8, Peter Schumacher declarou:
“Do sudário é uma imagem sem precedentes, é a única em seu gênero em todo o mundo, não há nada igual, é um relevo tridimensional, a frontal e a traseira de um ser humano completo, o único do mundo, não há outro em lado nenhum, de nenhum modo, de nenhuma maneira”
A comunidade científica se propôs a estudar a tão famosa tela e descobrir que tão verdadeira era, foi então que realizaram o teste do carbono 14. O objetivo deste teste foi determinar o ano de elaboração da reportagem, dessa forma poderia verificar se, pelo menos, pertencia à época de Jesus de Nazaré ou não.
Foi assim, como o ano de 1978, finalmente, a Igreja aceita que seja estudado o Sudário de Turim, depois de realizar vários testes, os cientistas passaram a cortar uma pequena amostra de tecido e submetê-la ao processo de teste de carbono 14. Os resultados do estudo concluíram que a amostra de tecido pertencia entre os anos 1260 e 1390, com o qual restou demonstrado que não poderia ter envolvido o corpo de Jesus, no entanto, a polêmica estava muito longe de ser finalizado.
Novas descobertas
Aparentemente, o Sudário de Turim sofreu vários percalços ao longo dos anos, esteve exposto aos elementos, sem qualquer tipo de proteção e, além disso, sabe-se que sofreu um incêndio, motivo pelo qual algumas freiras consertou a tela tempo depois.
Imagem em negativo do Sudário de Turim
Foi assim, como pessoas alheias ao círculo de cientistas defendiam que, provavelmente, a amostra de tecido tomada para o teste de carbono 14 correspondia à parte que se havia queimado e que, posteriormente, foi remendada por algumas freiras.
Após estas declarações, um dos cientistas e especialistas mais renomados, Ray Rogers, que também foi um dos que, a princípio, defendeu vigorosamente os resultados lançados pelo teste de Carbono 14, admitiu após novos estudos científicos que, efetivamente, o teste de carbono 14 havia sido incorreta e a razão se devia a um erro na seleção da amostra para este estudo.
Outro aspecto controverso é a imagem como tal, não existe uma explicação científica que possa explicar como poderia ficar uma imagem tão nítida deste homem, parece que tivesse ocorrido uma explosão de luz tão forte que teria deixado a impressão de ambos os lados.
O que sim é certo é que o Sudário de Turim continua dando o que falar, sem dúvida alguma, tornou-se uma das relíquias religiosas mais polêmicas pela qual cientistas e crentes continuam disputando a sua autenticidade.
Será que o Sudário de Turim o lençol com o qual foi envolvido o corpo de Jesus?