Curiosidades

História da superstição de que os gatos pretos

História da superstição de que os gatos pretos
Em primeiro lugar cabe destacar que o gato não sempre gozava de má fama. Tudo o contrário! Na antiguidade, o gato era um animal muito popular e respeitado, tanto que até mesmo algumas pessoas chegaram a pagar com a sua vida ter matado um desses animais. Mesmo assim, alegou ter visto o historiador Diodoro da Sicília.

Por seu caráter independente, a sua beleza e elegância, os gatos eram adorados. De fato, no Egito, quando um gato morria, lhe embalsamaba e se lhe acrescentavam ao seu lugar de descanso ratos embalsamados. Daí que se encontrassem em 1890, em Bubástis, mais de 300.000 múmias de gatos. Outro dado curioso é que aqueles que haviam convivido em casa com o animal rapaban as sobrancelhas em sinal de luto pela perda. Mesmo Maomé no século VII, pregava com um gato em seus braços.
O que fez com que mudasse tudo?
A popularidade do gato começou a mudar radicalmente, quando a Igreja Católica em meados do século XIII, começou a persegui-los por considerá-los um símbolo do diabo e também serventes das bruxas.
Como o gato estava presente em vários ritos e crenças pagãs, começaram a destacar os aspectos característicos do animal de uma forma negativa e começou a perseguírsele sem trégua.

Além disso, como se reproduzem muito rapidamente começaram também a ser um estorvo para os governantes e para os cidadãos. Os gatos vadios eram alimentados, então, as velhas solitárias e isso era visto como algo diabólico. Pior ainda se o gato era preto e de pelagem curta. Então eles começaram a criar toda uma série de lendas e mitos em torno do gato preto, que o levou a ter tão má fama.
Ao começar a considerar-se o gato preto como um sinal de má sorte, começou a perseguir todos os exemplares para dar-lhes morte. Até mesmo a Igreja era a sua caça e fazia um show na fogueira de São João no interior destes felinos. O massacre foi tão grande que, quando chegou a Peste Negra, já não ficavam quase gatos para combatê-la.
O rei Luís XII de França, que foi o que começou a trazer um pouco de sanidade para toda a situação e pôs fim à matança de gatos pretos. Dado o seu papel especial na erradicação da peste, o gato voltou a recuperar o seu prestígio e hoje em dia é um dos animais mais adoráveis que convivem com o ser humano.