Curiosidades

Este filme da Disney aumentou o DESPREZO de Tolkien pela Disney

Este filme fez com que aumentará significativamente o desprezo de Tolkien pela Disney e sua forma de ver os contos de fadas e seus personagens
Não é nenhum segredo que J. R. R. Tolkien e C. S. Lewis eram, por assim dizer, de alguma forma, inimigos amigáveis, pois discutiam sobre fantasia e religião, mas havia um ponto em que, decididamente, sim concordavam: o seu desprezo pelas obras de Walt Disney.
Embora, muitas vezes, as pessoas imaginam que as amizades entre figuras literárias em termos frios, focando apenas as questões intelectuais mais importantes, o arquiteto da Terra-Média, e o pai de Nárnia partilharam momentos de lazer juntos e, de fato, foram ver o filme branca de Neve e os Sete Anões, da Disney.

De acordo com o Guia Completo da Terra-Média, Tolkien não foi ver a branca de Neve até algum tempo após sua estréia, em 1938, quando assistiu a ver o filme de animação com Lewis. Lewis tinha visto o filme com seu irmão, e tinha algumas opiniões que queria compartilhar. Em uma carta de 1939 a seu amigo A. K. Hamilton, Lewis escreveu sobre branca de Neve (e o próprio Disney).
C. S. Lewis e J. R. R. Tolkien
“Os anões devem ser feios, é claro, mas não dessa forma. E a festa do jazz dos anões foi bastante má. Acho que nunca aconteceu ao pobre tolo que pudesse dar qualquer outro tipo de música. Mas todos os fragmentos terríveis eram bons, e os animais realmente MUITO emocionante, e o uso de sombras (de anões e abutres) foi realmente genial. O que não poderia ter acontecido se este homem tivesse sido educado -ou mesmo criado em uma sociedade decente?”, escreveu o autor de “as Crônicas de Nárnia”.
Tolkien também não gostou dos anões. No Guia de Tolkien afirma que encontrou a Branca de Neve encantadora, mas, de outro modo, não estava satisfeito com os anões. Para Tolkien e Lewis, ao que parece, os anões, da Disney eram uma simplificação de um conceito que consideravam precioso.

De acordo com Trish Lambert, um especialista em Tolkien e autora do ensaio branca de Neve e Bilbo Baggins: Divergências e Convergências entre a Disney e Tolkien, para os escritores ingleses, a Disney estava comercializando e simplificando algo que eles consideravam praticamente sagrado.
“Aqui você tem um empresário americano impetuoso, que teve a audácia de entrar e ganhar dinheiro com os contos de fadas”, disse Lambert. Isto, apesar do fato de que Tolkien e Lewis também receberam ganhos por suas histórias.
A opinião de Tolkien sobre a Disney não melhorou com o passar dos anos. Tolkien também acreditava que os contos de fadas foram infantilizado, e assim o expressou, em seu ensaio de 1947, “Fairy Stories”, onde apontou que “a associação de crianças e contos de fadas é um acidente de nossa história doméstica”.

O que você acha? Você esperava essa ofensa de Tolkien pela Disney e sua representação dos anões?
Se você se interessou descobrir a razão do desprezo que sentia de Tolkien pela Disney, descubra: