Curiosidades

De que é feito o nosso sangue?

Recentemente em Sintonize Ciência fizemos um artigo sobre os tipos sanguíneos, o que deixou muitas perguntas no ar. Queremos completar o post anterior com mais informações sobre esse fluido vital, sem o que, literalmente, não poderíamos viver.
De que é constituído o sangue?
Um adulto tem normalmente de 5 litros aproximadamente os vasos sanguíneos do seu organismo. Este líquido que percorre o nosso sistema circulatório é formado por células (glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas) e plasma. Apresentamos agora com mais detalhe.
Glóbulos vermelhos
São vermelhos e a hemoglobina, que é uma proteína presente no sangue e que contém ferro. Esses glóbulos vermelhos, hemácias ou eritrócitos, constituem o 96% dos elementos figurados, e se encarregam de transportar o oxigênio para o resto das células do corpo. Ou seja, realizam o intercâmbio gasoso crucial para o bom funcionamento de todos os nossos órgãos: por um lado transportam o dióxido de carbono e ao chegar aos pulmões, tomam o oxigênio obtido pela respiração e começam outra vez o percurso por todo o corpo para oxigenar cada célula. Daí a importância de uma correta respiração.

Mas também vão recolhendo os resíduos celulares e os depositam nos rins, que são responsáveis por filtrar para que o útil, volte para o sangue e o que não se exclua, através da urina.
Os glóbulos vermelhos não têm núcleo e organelas, e na membrana plasmática de células encontram-se as glucoproteínas, que definem os diferentes grupos sanguíneos, além de outros identificadores celulares. Os eritrócitos adultos formam-se na medula óssea.
Glóbulos brancos
São chamados também leucócitos e são o nosso exército pessoal que se encarrega de defender o organismo. Eles Se movem rápido caçando partículas ou microrganismos que possam representar algum dano para a nossa saúde: os atacam e acabam. Este processo é chamado fagocitose, que é a defesa permanente contra as infecções.

O seu veículo, é claro, é o sangue, com o qual têm acesso a todas as partes do organismo. Além de acabar com os agentes infecciosos e células infectadas, na realidade, o que se chama de anticorpos, que são substâncias protetoras que também combatem infecções.

Por isso, quando estamos doentes, o nosso contagem de leucócitos ou glóbulos brancos é maior.
Plaquetas
As plaquetas ou trombócitos– se fazem sentir quando um copinho sanguíneo se rompe. Logo eles se reúnem e se aglutinam, formando um tampão plaquetário. Assim, fecham o rompimento do vaso e evitam que se perca sangue, fazendo com que o cortarnos não nos desangremos. No processo de coagulação ou hemostasis, contribuem para a formação de trombos ou coágulos, fechando as feridas vasculares.

Também são produzidas na medula óssea, e são as células mais pequenas do sangue. O modo em que diminuem o tamanho das feridas para evitar o sangramento é simples e maravilhoso: o fibrinogénio se transforma em fios pegajosos e forma com as plaquetas uma rede que retém os glóbulos vermelhos, esta rede se coagula e forma uma crosta, que é a que deve conter, definitivamente, a hemorragia.
Plasma
É a parte líquida do sangue e é muito complexo. É composto de 90% de água, mas também de elementos químicos que viajam com ele: proteínas, carboidratos, hormônios, enzimas, gorduras, sais minerais…
Um 55% do sangue é plasma e sua missão é definir o equilíbrio de líquidos e manter as características do sangue. É uma “rede de distribuição” no que se transporta tudo o que comemos, como colesterol, vitaminas, proteínas, elementos de defesa e até os medicamentos que ingerimos. No plasma também se diluem os produtos residuais do metabolismo das células, como o ácido úrico.

O plasma é o que se obtém ao deixar o sangue sem glóbulos vermelhos e brancos, e não devemos confundi-lo com o soro sanguíneo, que se obtém quando se eliminam os elementos coagulantes.
Se você tem interesse, particularmente estes temas, há sites especializados na internet que podem te dar mais detalhes sobre a informação que procura. E para que fique um pouco mais em nossa página, convidamos você a ler sobre a arte de embalsamar no antigo Egito.