Curiosidades

Como a aids se tornou a pandemia do século

Onde e quando
Corre a década de 1920, em Kinshasa, a capital da atual República Democrática do Congo, antes do Congo Belga. Bélgica impulsionou o sistema de trens no país, o que facilitou e aumentou a passagem de pessoas por toda a cidade. Calcula-Se que mais de um milhão de pessoas circulou por lá, o que –para um vírus– é perfeito: você precisa de pessoas para se propagar.

Assim que Kinshasa, uma cidade que, até há 20 anos, era apenas um acampamento, viveu uma explosão de modernidade que produziu o que os cientistas chamaram de “a tempestade perfeita” para a aids. Também contribuiu para a sua propagação, pensam, o uso de agulhas sem esterilizar os hospitais.
Como
Esta equipe internacional utilizou técnicas inovadoras de arqueologia viral, tal como explicado no estudo que publicou na revista Science. Analisaram amostras de HIV e com estas técnicas puderam rastrear o código genético do vírus, e todas ficaram com a Kinshasa.
Apesar de que a aids ganhou a atenção mundial a partir dos anos 80, já na África era história antiga, e o seu lugar de origem sempre foi muito polêmico e discutido. A novidade deste estudo é que puderam reconstruir a história do vírus, sua “árvore genealógica”, para assim determinar como começou esta terrível epidemia.
Ao ler as mutações do código genético puderam seguir o rasto, tal como expôs o professor Oliver Pybus, da Universidade de Oxford, da BBC:
“Podem-Se ver os vestígios da história, as proteínas atuais porque as mudanças são registrados com marcas de mutação que não podem erradicar”.
O que é HIV
O que conhecemos como o Vírus da Imunodeficiência Adquirida é uma versão de outro que afeta os chimpanzés (o vírus da imunodeficiência em símios), e que com quase total certeza, sabe-se que passou de uma espécie para outra através do contato com sangue infectado, quando manipular carne de animais selvagens.

Deste modo, o vírus cruzou inúmeras vezes entre as espécies, e isso gerou o surgimento do HIV-1 subgrupo Ou, que afeta milhares de pessoas em Camarões. Não obstante, o que afetou milhões de pessoas ao redor do mundo foi a versão HIV-1 subgrupo M.
Por que
Os 20 do século passado, como já discutimos no início do artigo, Kinshasa era parte do Congo Belga, e até 1966 era conhecida pelo nome de Leopoldville, em homenagem ao rei Leopoldo II da Bélgica, que tinha colonizado.
Graças ao rápido crescimento demográfico e à rede de caminhos de ferro, tornou-se um lugar de contato e de doenças de transmissão sexual, muitos trabalhadores chegaram a Kinshasa alterando o equilíbrio de gêneros, até o ponto de que os homens duplicaram as mulheres, o que eventualmente gerou um imenso comércio sexual.
Outro aspecto que facilitou a grande propagação, como também já foi dito, foi o uso de agulhas e seringas sem esterilizar.

Imagine-se, já no final de 1940, cerca de um milhão de pessoas usava a rede ferroviária de Kinshasa, o que lhe permitiu que o vírus chegar à província mineira de Katanga e a próxima Brazzaville, a capital.
O que os cientistas identificaram como a “tempestade perfeita” durou apenas duas décadas, mas já que o vírus havia cruzado as fronteiras continentais. Claro que o aumento de população, práticas pouco higiénicas de saúde, a prostituição e o fato de ter sido uma cidade onde muitos trabalhadores se reuniram, sem dúvida, foram fatores decisivos para a disseminação da aids entre os humanos.
O professor Jonathan Ball, da Universidade de Nottingham, acrescenta:
“Mas o aspecto mais contencioso é que a propagação dos vírus do grupo M teve mais a ver com as condições adequadas para que se espalhada do que com o fato de que se adaptaram melhor para sobreviver, os seres humanos… Tenho certeza de que essa dica vai gerar um interessante debate em torno do tema”.
Sabe-Se que foi um vírus originário dos chimpanzés, que saltou da espécie, mas a novidade deste estudo foi o de ter chegado a seu ponto de partida, em Kinshasa.
Ainda que seguem as teorias que atribuem a invenção da aids em laboratórios norte-americanos. Em todo o caso, gerará debates, sem dúvida.
Convidamos você a ler sobre o veneno de abelhas para o HIV, e também a notícia de que está a ponto de alcançar uma vacina para a aids.