Curiosidades

A triste história do menino que queria ser punido, para ouvir o seu nome

Se em alguma ocasião você quer começar uma certa intimidade com alguém, ou que empatice contigo, não hesite em dizer o seu nome em cada frase, em fazê-lo com segurança, carinho e proximidade. Tudo isso causa um impacto emocional em quem temos diante de nós: o reconhecemos, lhe damos valor.
Agora entre na pele de uma criança. Um menino órfão que ninguém se fixa. Ele é o protagonista desta história, e ele queremos falar-te. Qual o seu nome? Não esqueça, o nome desta criatura é Pietro.
Pedro, o menino que desejava ouvir seu nome na boca de outras pessoas
Esta história foi contada pelo jornalista, psicólogo e escritor Juan Arias no jornal “O País”. Suas primeiras experiências como psicólogo e o levaram há anos em Roma, apenas a um pequeno orfanato onde se aplicava uma dura disciplina com as crianças, e que ele mesmo, quis suavizar trazendo uma abordagem mais emocional, mais íntimo, mais construtivo para o desenvolvimento ótimo de aquelas crianças.

Não obstante, em alguns casos, a própria educação é algo complexa. Nos limitamos a fornecer um foco mais acadêmico e a tentar que as crianças encontrem o dia de amanhã uma forma de ganhar a vida, e, portanto, ser úteis a si mesmos e a própria sociedade.
Agora… o que acontece com suas necessidades, suas carências afetivas e emocionais? Isso é algo que nem sempre se atende de forma correcta em orfanatos. E é o que lhe ocorria a Pietro.
Este menino tinha um costume muito característica. Quase de forma periódica, rompia o telefone da sala do diretor. De que lhe servia a ele se ninguém lhe chamava? Mas esta não foi a única razão por que eu cometia tal travessura. Cada manhã, quando o diretor viu o smash, chamando pelo alto-falante para informá-lo do castigo. E isso, era o que Pedro queria. Que alguém pronunciar o seu nome.

Era tal o isolamento, tal a falta deste menino, que era feliz só de ouvir que alguém pronunciava o seu nome. E mais, por alto-falante. Como adivinhar o que fez então o psicólogo e jornalista Juan Arias? Fez um pequeno plano com Pietro. Todos os dias, antes de dormir, ele o chamaria por telefone. Isso implicava coisas muito emocionantes: que pronunciariam seu nome pelo alto-falante, que alguém lhe falava do outro lado da linha, e que lhe desejava boa noite.
Nesse fone de ouvido, existia um adulto que lhe oferecia a importância do pequeno Pedro, que o reconhecia como pessoa e que lhe mostrava afeto, desejando que tivesse felizes sonhos: o que toda criança merece. No dia seguinte, quando João e Pedro se encontravam pelos corredores do orfanato, não diziam nada. Bastava um sorriso cúmplice.

Uma bela história que queríamos compartilhar com você a modo de reflexão. Não se esqueça de pronunciar cada dia o nome das pessoas que quiser. É um gesto que cria grandes laços.
Você o faz porque?