Curiosidades

A resposta científica a que se vê raro nas selfies

A resposta científica a que se vê raro nas selfies
Basta olhar a quantidade de auto-fotos que você rejeitou. Certeza que são muitas as que você não gostou. Se você vê o queixo saída, o nariz grande, cara larga, pálpebras caídas…Segundo publicou Nolan Feeney em The Atlantic, a razão científica está no nosso cérebro.

Os seres humanos estamos acostumados a ver em um espelho, e essa é a imagem que temos de nós mesmos e com a qual estamos familiarizados. Os selfies capturam nossa imagem, conforme a veriam de fora, não como a vemos, e, além disso, fazem-no a partir para cima e desvirtuando alguns traços. A estranheza parte do fato de que nossas caras são assimétricas e as selfies vemos a assimetria no lado contrário ao que o nosso cérebro está acostumado a vê-la em um espelho. Isso nos produz uma sensação de rejeição.
Atualmente aplicativos como Snapchat tiveram em conta este tema e se apresentam diretamente nas auto-fotos tal como se veria em um espelho. Outras te dão a opção de rodá-lo para que seja mais agradável para o seu cérebro.

Claro que também há que culpar as lentes das câmeras de muitos móveis, já que não costumam estar preparados para esse tipo de fotografia. Muitos costumam levar ópticas super grande angular, que são perfeitos para fotografar paisagens, mas muito ruins para os retratos já que distorcem as faces se pegar um primeiro plano ou meio, como ocorre nos seflies.

A solução para que não nos vejamos raros nas selfies parece ser que consiste em fazer-nos muitas auto-fotos, até que consigamos que o cérebro se adapte a essa imagem, o mesmo que estamos acostumados a ver-nos refletidos em um espelho.