Curiosidades

A criatura ESTRANHA encontrada congelada na Sibéria

Em Sintonize Ciência te temos falado da lenda reavivada do chupacabras após uma descoberta, entre outros seres muito curiosos que têm alimentado o folclore e as nossas pesadelos. Dizem que no imenso oceano, tão inexplorado, ainda existem espécies e seres que não conhecemos, mas o que há de a terra? O seguinte descoberta, do que informou o Siberian Times, nos faz levantar o que poderíamos chegar a encontrar-se com o tempo, sepultado sob camadas grossas de gelo milenares.
A criatura ESTRANHA encontrada congelada na Sibéria
A surpresa dos mineiros de uma mina de diamantes em Udachny (novorossiysk hotel ou República de Saja, Sibéria oriental) deve ser maiúscula ao encontrar em seu sítio esta estranha criatura. Com muito cuidado tiraram a e a examinaram, cheios de curiosidade e uma certa apreensão. O que era isso?

Graças às baixíssimas temperaturas do clima siberiano, que pode chegar até os 43 graus abaixo de zero, os restos de este ser se têm mantido em um estado ideal que permite reconhecer alguns de seus traços.
Os mineiros, por sua vez defendem que se trata de algum tipo de pequeno dinossauro desconhecido até agora, apoiando-se no fato de que as arenas diamantíferas onde se encontrou datam de entre 66 e 252 milhões de anos atrás, ou seja, do Mesozóico. Não obstante, há aqueles que pensam que se trata de algo muito mais comum: um glutão. Você sabe o que é? Trata-Se de um mustélido, que lembra um urso de tamanho pequeno, com uns dentes muito afiados, parecidos com os do corpo encontrado.
Glutão
No momento, o achado já foi enviado do Udachny para Yakutsk, onde se analisa e se realizarão testes de DNA para determinar que tipo de animal é, e outras para adivinhar a que época pertence.
Na linha desta descoberta, não podemos deixar de lembrar o de 2013, de um mamute fêmea que 39.000 anos atrás foi preso e colocado em uma geleira. Como no caso de nossa estranha criatura, as baixas temperaturas permitiram que muitas partes de seu corpo permaneceram quase intactas, como o seu cabelo e as suas pernas, dando-nos a oportunidade de imaginar como deve ser ver um desses grandes mamíferos vivos. Sem dúvida, um majestoso espetáculo!
Mamute que ficou preservado em um glaciar
Além disso, o corpo do mamute foi possível recuperar sangue, com o que muitos cientistas avaliaram a opção de reviver uma dessas criaturas que desapareceram há mais de 4.000 anos.
De encontrar algo parecido na criatura encontrada, mais recentemente, na Sibéria e de tratar-se de algo tão extraordinário como um dinossauro, queres que tenta reproduzir e criar estes seres de forma artificial? Descobertas como estas nos fazem questionar multidão de questões éticas e despertam debates muito interessantes. O que pensas tu?