Curiosidades

5 formas de enfrentar uma discussão com franqueza

Estamos seguros de que, ao longo de sua vida, se viu obrigado a manter-se mais de uma discussão. Não é algo negativo, as pessoas precisamos às vezes tirar posturas, defender idéias e até mesmo manter nossos próprios espaços pessoais de opinião e pensamento.
Fazê-lo de forma assertiva nos leva quase sempre a obter bons resultados e até mesmo a um consenso. No entanto, tudo vai depender, sem dúvida, a pessoa que temos à frente, e se nós mesmos temos umas boas estratégias internas de gestão emocional e, por sua vez, assertividade.
Porque, diga-nos… já lhe aconteceu alguma vez isso de querer defender sua posição, enquanto a sua voz titubea carregada de raiva? Você se sentiu incapaz de expor com clareza seus argumentos por essa alta carga emocional? Todos nós temos vivido esta situação. Por isso, convidamos você a conhecer estas técnicas simples para enfrentar sua próxima discussão de uma maneira mais útil.
Qual é a acompanhá-lo?
Chaves que definem as pessoas assertivos
Antes de oferecer uma simples técnicas de discussão assertiva, vejamos em primeiro lugar a que nos referimos com agir “asertivamente”. Estamos confiantes de que você aplica em seu dia-a-dia várias dessas dimensões:

Sabe dizer não quando você percebe que alguém ultrapassa o seu limite pessoal. Defende suas necessidades, seus valores, a sua posição e não se deixar “manipular”.
Ser assertivo implica saber defender a sua posição, mas, por sua vez, fazê-lo sem ofender a quem temos diante de nós. Isso é feito graças a uma boa auto-estima, para uma boa segurança em si mesmo onde não é preciso “fazer mal”, para defender-se ou simplesmente, argumentar.
Você é hábil na hora de argumentar e você é capaz de expor as suas ideias com detalhe e calma. Isso começa com uma adequada gestão emocional, com calma e equilíbrio interno.
Sabe criticar quem você tem na frente, mas não de uma forma agressiva, mas construtiva e prática. Não há necessidade de fazer-se para dizer alguma coisa sobre a pessoa que você tem na frente.
Não tem medo de falar de seus sentimentos, de suas emoções. Sabe expor e defender as suas necessidades.
Estratégias assertivos na hora de discutir
Vejamos horas seguintes técnicas com exemplos muito simples e que com certeza lhe serão úteis. Señalarte que são, sem dúvida, situações muito elementares a um problema comum, mas que, de algum modo, pode nos orientar.
O mais importante, como sempre, é agir com convicção, controlando emoções, respeitando a pessoa que temos diante de nós e mostrando-nos, com uma calma envolvente. A calma e a compostura, confere também autoridade.
Técnica para deter a atenção do nosso interlocutor: banco de névoa
A finalidade básica para desviar a atenção do nosso interlocutor é abordar o tema “a grandes traços”, sem particularizar, sem individualizar.
INTERLOCUTOR: -É que tu nunca me fazes quando te digo algo
VOCÊ: -Essa sensação de que tem muita gente sem ter que ser certa.
INTERLOCUTOR: -Claro que é verdade
VOCÊ: -Não se negam, mas é uma visão em que costuma cair muita gente, e que só serve para causar dano uns aos outros. Por vezes, as pessoas são muito complicadas, e a convivência sempre tem esses detalhes.

Técnica do acordo assertivo
INTERLOCUTOR: -É que tu nunca me fazes quando te digo algo
VOCÊ: -Bem, é possível que às vezes não se faça caso que merece, não posso negar. Mas é algo que eu não faço de forma voluntária, e, desde então, não quero que você fique com aquela sensação. Te entendo.
A Técnica da pergunta assertiva
INTERLOCUTOR: -É que tu nunca me fazes quando te digo algo
VOCÊ: – E O que você acha que poderia fazer para que isso não acontecesse? Que responsabilidade você tem tu, e que responsabilidade tenho eu com isso? Arguméntamelo.
Técnica do diferimento
Esta técnica é útil quando nos dizem ou nos perguntam algo para o qual não temos resposta. Antes de hesitar ou ficar bloqueado, vale a pena fazer o seguinte:
INTERLOCUTOR: -É que tu nunca me fazes quando te digo algo
VOCÊ: -Outra vez diz-me o mesmo. Não é a primeira vez, eu sei e entendo. Compreendo a sua postura. Sei que é algo importante, mas não é o momento nem o lugar. Isso falaremos detalhadamente em outro instante.

Técnica para ignorar de forma assertiva
Às vezes, a discussão chega a um ponto em que não vale a pena continuar, porque sabemos que não vai haver acordos. Só conseguiremos elevar a tensão.
INTERLOCUTOR: -É que tu nunca me fazes quando te digo algo
VOCÊ: -Noto que você está de mau humor, e quando as emoções são muito elevadas, não é útil manter este tipo de conversas. De certeza que haverá um instante em que os dois estamos mais relaxados para falar.
E agora diga-nos… como É bom discutindo? Ou talvez você é que perde os nervos? Se é assim, não perca também o nosso artigo para enfrentar o estresse.